Últimas horas do Scharnhorst

Notícias Gerais
23.252

A Alemanha procurava interromper o fornecimento de suprimentos ártico dos Aliados à União Soviética com uma destruição demonstrativa de um dos seus comboios, em uma operação conhecida como Osfront ("Frente Oriental"). Em 22 de dezembro de 1943, os alemães descobriram um grupo de transportes seguindo pela costa norueguesa. Apesar da espionagem, o comando da Kriegsmarine não descobriu que a força britânica inspecionava o comboio. Em 25 de dezembro, o encouraçado Scharnhorst, acompanhado pela Quarta Flotilha de Contratorpedeiros (com o Z-29 como o capitânia) foi ao mar.

Na manhã do dia 26 de dezembro, Scharnhorst foi separado da sua escolta de contratorpedeiros e encontroou três cruzadores britânicos liderados pelo HMS Belfast. As salvas britânicas iniciais pegaram os alemães totalmente de surpresa e os projéteis do HMS Norfolk destruíram o radar principal do encouraçado. Relutante em atacar os cruzadores, Scharnhorst usou sua velocidade superior para despistar seus perseguidores na tempestade e continuou a procurar seu comboio. 

O esquadrão de cruzadores do vice-almirante Burnett voltou a proteger os transportes. Enquanto isso, Scharnhorst continuava à caça do comboio sem sucesso. A força de Burnett juntou-se a uma flotilha de contratorpedeiros (de HMS Musketeer, HMS Matchless, Opportune e Virago), mas os almirantes britânicos temiam que o inimigo tivesse escapado da armadilha. No entanto, as noites polares cegaram o Scharnhorst, enquanto os britânicos mantiveram a vantagem com o radar.

Por volta da meia-noite de 26 de dezembro, o HMS Belfast detectou Scharnhorst no seu radar novamente. No combate subsequente, o encouraçado travou uma luta incrível. Projéteis de 283 mm dos alemães incapacitaram uma torreta de armamento primário do Norfolk, além de danos severos ao chassi. Sheffield foi perfurado por estilhaços e o contratorpedeiro Virago quase foi naufragado pelas armas principais do Scharnhorst.

Durante o tiroteio, Scharnhorst estava, sem saber, entre 20 a 25 km do comboio que procurava. O contra-almirante Bey abortou a operação e ordenou que o Scharnhorst e sua escolta de contratorpedeiros se dirigissem para a Noruega. O esquadrão de Burnett, enquanto isso, perseguia o encouraçado alemão a toda velocidade. Ele permanecia fora de vista enquanto mantinha o contato por radar. Os cruzadores britânicos danificados ficaram para trás um após o outro, lutando contra a violenta tempestade. O HMS Belfast continuou a perseguição sozinho, transmitindo constantemente a localização do Scharnhorst ao almirante Fraser. Os outros contratorpedeiros alemães estavam longe demais para fornecer detecção e reconhecimento para a sua capitânia.

Scharnhorst, com o radar inativo, seguiu direto para uma armadilha. O encouraçado HMS Duke of York, o cruzador HMS Jamaica e quatro outros contratorpedeiros aproximaram-se rapidamente. Fraser deu a ordem de abrir fogo apenas depois de chegar o mais perto possível do inimigo. Finalmente, às 16:47, o Scharnhorst foi revelado por projéteis iluminadores do Belfast e pego de surpresa. O Duke of York disparou completamente de lado com 10 armas de 356 mm. Um dos primeiros acertos destruiu a torreta de armamento primário do Scharnhorst.

O Scharnhorst mudou sua rota a toda velocidade para despistar os perseguidores enquanto revidava com todas as armas disponíveis. O HMS Belfast e o HMS Norfolk juntaram-se do norte com o HMS Jamaica do sul. Scharnhorst encontrou-se entre o martelo e a bigorna.

O Duke of York metralhou o Scharnhorst, incapacitando a artilharia e destruindo a superestrutura, seu cinto de armadura que o protegia de danos críticos. Scharnhorst ganhou alguma distância a uma velocidade de mais de 30 nós e se libertou do alcance das armas do cruzador. No entanto, momentos mais tarde, um projétil de 356 mm do Duke de York penetrou o fino cinto de armadura superior, explodindo a casa de máquinas. O Scharnhorst perdeu velocidade e esse acerto crítico selou o seu destino.

Os navios britânicos aproximaram-se do encouraçado danificado gravemente, porém ainda ameaçador. Fraser ordenou um ataque de torpedo dos seus contratorpedeiros. Savage, Saumarez, Scorpion e Stord aproximaram-se e dispararam 28 torpedos no total, porém apenas quatro acertaram o alvo.

O Scharnhorst aguentou firme e continuou a manobrar e disparar suas armas restantes. O Duke of York disparou de muito perto e o navio alemão finalmente parou. Belfast e Jamaica, juntamente com os contratorpedeiros restantes, continuaram atacando e o HMS Musketeer lançou quatro torpedos de centenas de metros de distância.O Scharnhorst foi atingido por, pelo menos, 11 torpedos, afundando  em uma nuvem de fumaça e fogo.

Os britânicos ficaram perplexos com a resiliência do adversário. O almirante Fraser disse aos seus oficiais: "Espero que, se algum de vocês for chamado para comandar um navio em ação contra um adversário muitas vezes superior, comande seu navio tão bravamente quanto o Scharnhorst foi comandado hoje.".